Diocese abre Centenário de Nascimento de dom Francisco

A Diocese de Afogados da Ingazeira abriu na quarta-feira, 3 de abril, as comemorações do Centenário de dom Francisco Austregésilo de Mesquita Filho, considerando uma grande importância religiosa, social e cultural para a Diocese, Região do Pajeú e o Nordeste em mais de 40 anos de pastoreio.

A Missa de Abertura do Centenário aconteceu na Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios, sede da diocese, e teve a presidência do bispo diocesano, dom Limacêdo Antônio da Silva. O bispo emérito, dom Egídio Bisol, o vigário geral da diocese Pe. Josenildo Nunes de Oliveira, o pároco da Catedral Pe. Gilvam Bezerra e o clero da diocese estiveram presentes à celebração de lançamento do centenário.

Em sua homilia, o bispo diocesano parabenizou a equipe de Liturgia da época de dom Francisco que esteve servindo ao altar. “Parabéns a essa equipe maravilhosa que nos ajudou e está nos ajudando a rezar e fazer esse mergulho na história, nos fazendo fazer a memória de um grande pastor da nossa diocese”, disse.

E prosseguiu ressaltando o legado de dom Francisco: “O evangelho de hoje é maravilhoso, pois nos ajuda a olharmos aquele que estamos vivenciando. Aquele que foi o homem da palavra, aquele que foi um caminheiro e por isso um grande missionário, aquele que foi o homem da comunhão. Ele tinha um amor pelos padres, ele doava o seu tempo precioso para o povo de Deus. Ele que defendia seu clero. Ele que era o homem da palavra e se tornou o profeta”, concluiu dom Limacêdo.

Após o Rito da Comunhão, os padres Luizinho Marques, Josenildo Nunes, Vinícius Veras e os seminaristas Lucas Emmanuel, Felipe Emanuel e Gabriel lançaram o Hino do Centenário e a logo comemorativa.

A programação contará com três simpósios nas Faculdades de Direito existentes no território diocesano. Em agosto, na FASP – Afogados da Ingazeira, em setembro, na FVP – São José do Egito, em outubro, na UNIFIS – Serra Talhada. Haverá também um festival de violeiros em Afogados da Ingazeira, e a elaboração de cordéis, conteúdos de mídias e radiofônicos, além do lançamento de um livro comemorativo na celebração de encerramento, em 3 de abril de 2025.

Dom Francisco, cujo lema episcopal era “Ut Vitam Habeant” (Para que tenham vida), foi bispo diocesano por mais de 40 anos e desempenhou papéis cruciais, incluindo sua participação no Concílio Vaticano II (1962-1965) e sua contribuição como responsável pelo Setor da Pastoral Rural do Regional Nordeste 2 da CNBB. Sua influência também se estendeu à mídia, onde atuou como produtor do Programa “Nossa Palavra” na Rádio Pajeú de Educação Popular, um aspecto de sua vida que também será destacado nas celebrações do centenário.

Deixe um comentário